google-site-verification=xvOoNtziHo7ibdiX0YxWJUmQ0khC9cZtJbyLOxgIr6I
 
2.jpg
1.jpg
3.jpg

Córdova

Argentina.png

Córdova (em castelhano: Córdoba) é a segunda cidade mais populosa da Argentina e capital da província homônima. Tem 1 282 569 habitantes (1 368 109, incluindo a área metropolitana). Foi fundada pelo adelantado Jerónimo Luis de Cabrera, em 6 de julho de 1573, às margens do rio Suquía. Fica 713 quilômetros ao noroeste de Buenos Aires e é a segunda maior cidade do país. A terceira é Rosário seguida por San Miguel de Tucuman.

Oficialmente é o único município do departamento Capital, apesar dos entraves com cidades vizinhas, como Estación Juárez Celman, Saldán e Villa Allende, que tem parte de seus subúrbios no canto noroeste do mesmo. Administrativamente está dividida em onze Centros de Participação Comunitária descentralizados.

O censo nacional de 2010 estabeleceu uma população de 1 329 604 habitantes. Há uma tendência de queda na taxa de crescimento da população cordobense. O município possui uma área de 576 km². Limita-se a norte com o departamento de Colón, a leste com o departamento de Colón (ao norte do rio Suquía), departamento de Santa María (ao sul do rio Suquía), a sul com o departamento de Santa María e a oeste também com os departamentos de Santa María e Colón.

A cidade possui vários pontos históricos, turísticos e culturais de grande importância. La Cañada de Córdoba é a parte de canalização de um córrego que atravessa a cidade de norte a sul. O Arco de Córdoba é um importante símbolo da cultura localizado na entrada da Avenida Amadeo Sabattini. Em 2000, a UNESCO declarou a Manzana Jesuítica como Patrimônio Mundial da Humanidade e, em 2006, a cidade foi nomeada Capital Americana da Cultura naquele respectivo ano. Córdoba protagonizou vários feitos de muita relevância na História argentina durante o século XX. Foi o centro da Reforma Universitária de 1918, da Industrialização a partir de 1930, da Revolução Libertadora em 1955 e do Cordobazo, um movimento que culminou na queda do governo de Juan Carlos Onganía em 1969.